Menu

29 de jul de 2016

RESENHA: Anna E O Beijo Francês


Você já se apaixonou? E pelo seu melhor amigo? Anna já. Anna Oliphant é uma garota americana comum, que mora com a mãe e o irmão mais novo Sean – super fã de Star Wars – desde que seus pais se divorciaram e seu pai se tornou um dos autores norte-americanos de maior sucesso, com seus romances “água com açúcar”, bem no estilo Nicholas Sparks.

“Isto é tudo o que sei sobre a França: Madeline, Amélie e Moulin Rouge. A Torre Eiffel e o Arco do Triunfo também, embora eu não saiba qual a verdadeira função de nenhum dos dois. Napoleão, Maria Antonieta e vários reis chamados Louis. Também não estou certa do que eles fizeram, mas acho que tem alguma coisa a ver com a Revolução Francesa, que tem algo a ver com o Dia da Bastilha. O museu de arte chama-se Louvre, tem o formato de uma pirâmide, e a Mona Lisa vive lá junto com a estátua da mulher sem braços. E tem cafés e bistrôs – ou qualquer nome que els dão a estes – em cada esquina... Não é que eu seja ingrata, quero dizer, é Paris, A Cidade Luz! A cidade mais romântica do mundo.”


                                  
Anna, 17 anos, está no último ano do colégio, tem uma quedinha por Toph, seu colega de trabalho no cinema, e sua melhor amiga, Bridgette vai tentar a vaga de baterista na banda da escola, quando seu pai a manda para Paris, para terminar os estudos na SOAP (School Of America In Paris), ao lado de filhos de pessoas muito influentes. Para ela, tudo é um completo desastre, desde a moça cantando ópera perto de sua janela, até o cara com bigode e um basset hound.  Mas com pouco tempo na escola, Anna logo conhece Meredith, uma garota que adora futebol, que a ajuda a superar a primeira noite com um bom e velho Chocolate Shoud, e em um esbarrão no corredor ela conhece Étienne St. Clair, lindo, divertido popular, inteligente, americano com sotaque britânico e nome francês e comprometido.  Ela logo faz outros amigos, que por coincidência são os amigos de Mer e St. Clair, Rashimi e Josh, um casal bem diferente.


Conforme o tempo vai passando, Anna se aproxima cada vez mais de St. Clair e ele acaba se tornando seu melhor amigo, e passam a fazer [quase] tudo juntos - o feriado de Ação de Graças que diga - bem como conhecer Paris em seus mínimos detalhes possíveis, e ensina-la francês. E quando menos percebe ela está completamente envolvida e apaixonada por ele. Mas tudo é muito complicado, não só por que St. Clair está em um relacionamento há algum tempo com Ellie, uma universitária e amiga de Rashimi, mas por que Meredith também é apaixonada por ele. Anna tenta se manter o mais distante que pode, o problema é que parece que ele não entende e continua por perto, sempre. 





A situação piora um pouco quando Étienne descobre que sua mãe está com câncer e Anna tenta fazer com que ele se sinta melhor. Mas a grande questão é: será que St. Clair vai perceber algum dia o que Anna sente por ele, e vai acabar se apaixonando por ela? E será que Anna vai ganhar seu beijo francês?

“Quem manda os filhos para um internato? É tão Hogwarts. Só que no meu não tem feiticeiros bonitinhos, balinhas mágicas ou aulas de voo.”




“E, pela primeira vez, desde que cheguei em casa, estou completamente feliz. É estranho. Casa. Como eu pude querer estar aqui por tanto tempo, só para perceber que ela se foi. Estar aqui, tecnicamente na minha casa, e descobrir que minha casa agora é em outro lugar (…) Eu não poderei nunca dizer a ele, mas é verdade. Isto é estar em casa. Nós dois.”

A leitura é tão leve, que você mal consegue se dar conta da quantidade de páginas. Esse foi o primeiro livro de Stephanie Perkins, e com certeza foi uma estreia maravilhosa. A história de Anna e Étienne se torna mais envolvente a cada novo capítulo. E não podemos deixar de falar sobre o fato do livro te dar uma vontade enorme de conhecer Paris, ou pelo menos, ter um basset hound.


Logo depois foi a vez de Lola E O Garoto Da Casa Ao Lado, da mesma autora, e ó: a Anna e o Étienne também estão por lá (e pra quem já sabe como a história deles começou, é uma boa ideia de como tudo terminou, ou ao menos como tudo continuou mesmo depois da escola e de Paris). E só pra lembrar, o terceiro livro – Isla E O Felizes Para Sempre – já está disponível e prontinha para entrar na sua lista de próximas leituras, assim como está na minha. Para quem leu Anna E O Beijo Francês, já conhece um pouco de Isla e tem uma leve ideia do que se trata o livro, né?!









Nenhum comentário :

Postar um comentário

© Não retire os créditos - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Vanessa Neves e Jaque Design | Tecnologia do Blogger .