Menu

13 de jul de 2015

RESENHA: As Vantagens de Ser Invisível



Okay, eu sei que depois do filme protagonizado por Percy Jackson, Hermione Granger e Kevin Katchadourian Logan Lerman, Emma Watson e Ezra Miller, todo mundo já conhece a história de As Vantagens de Ser Invisível. Mas o filme é lindo, e o livro é ainda melhor. Mexeu tanto comigo que não tenho como não falar dele aqui. De todos os livros que já li, esse é um dos que mais me fez refletir. E foi ele quem me fez abolir minha regra sagrada de não riscar livros de maneira nenhuma – porque alguns trechos foram tão fundo na minha alma que não tive como não destacar com marca-texto. Quando dei por mim, já tinha destacado mais de 20 trechos.



Página 86

É o tipo de livro pra se ler com calma... De preferência enrolada na coberta, com uma caneca de chocolate quente ao lado e uma música suave no fone de ouvido. Na verdade, gosto de lê-lo ouvindo algumas das músicas favoritas de Charlie, o protagonista do livro. Então, pra entrar no clima, dê play na playlist abaixo e vamos tentar entender um pouco As Vantagens de Ser Invisível.



O livro é uma compilação de cartas escritas por Charlie. Não sabemos para quem ele escreve, mas isso não faz diferença. As cartas funcionam como um diário – chegando a ser mais pessoais que um. É difícil descrevê-las. Charlie é um garoto extremamente sensível, e isso se reflete em suas cartas. Ele chora fácil, especialmente depois que seu melhor amigo, Michael, se matou. Além disso, Charlie é inocente, ingênuo. Suas cartas, muitas vezes, parecem escritas por alguém muito mais novo que ele. Não que sejam mal escritas, mas o tom delas – o tom da mente de Charlie – é bastante puro, mesmo quando os temas são mais pesados – como sexo, drogas e morte. Acho que isso, mais do que qualquer outra coisa, ressalta o quanto Charlie é diferente dos outros garotos de sua idade.


Através das cartas, vamos descobrindo a vida de Charlie. Como é sua relação com seus pais, sua irmã e seu irmão e, em especial, com sua tia Helen – que morreu quando ele era criança e de quem ele sente muita falta. Na escola, ele está começando o que, no Brasil, seria o Ensino Médio. Sem seu amigo Michael, se sente extremamente solitário. Sua vida só começa a melhorar quando ele conhece Sam e Patrick, que estão cursando o último ano do colégio e acabam por se tornar seus melhores amigos. Eles mostram a Charlie um mundo totalmente diferente do que ele conhecia – um mundo de festas e drogas mas, acima de tudo, um mundo de amizade. Ainda assim, em alguns momentos, Charlie não consegue “participar”, como diz seu professor favorito, Bill. E, de fato, Charlie é extremamente pensativo e observador.

Página 34

No decorrer do livro, vamos conhecendo mais dos personagens. Sam e Patrick são extremamente divertidos, de riso fácil. Especialmente Patrick, que me conquistou desde sua primeira aparição. Ele é brincalhão, de bem com a vida, real e verdadeiramente feliz. Me lembra muito um amigo muito querido. Sam, sua irmã postiça, é menos piadista, mas igualmente alegre. Temos ainda Mary Elizabeth, Alice e Bob, amigos de Sam e Patrick, além de Craig, namorado de Sam.

Página 62

Não posso dar mais detalhes da história, porque ela não tem um foco principal. É apenas a história de um adolescente que tenta lidar com a perda de sua tia – coisa que o fez parar em uma clínica psiquiátrica quando era criança – e, posteriormente, com a perda de seu melhor amigo. É a história de um garoto que está tentando descobrir seu lugar no mundo, porque nunca se sentiu realmente pertencente a lugar nenhum. É uma história sobre aprendizado e descobrimento. Sobre amizade, amor, dor e perda. Não é uma história que tem o intuito de ser divertida – embora o seja, em muitas partes –, mas sim uma história que nos faz refletir sobre muitas coisas. 

Página 155

As Vantagens de Ser Invisível é um livro a ser lido de coração aberto, estando disposto a encarar algo diferente das grandes aventuras, distopias e histórias de amor com as quais nos bombardeiam diariamente. Digo isso porque eu própria, na primeira vez que o li, não o aceitei muito bem. Talvez porque é totalmente diferente dos livros aos quais eu estava acostumada. Talvez porque eu simplesmente não estava preparada pra ele na época. É uma história triste com momentos felizes, e não uma história feliz com momentos tristes, pelo menos em sua maior parte. Tanto que só fui realmente entender o livro – e realmente me identificar com Charlie – quando o li estando extremamente triste. E Charlie me ajudou a superar essa tristeza. Fui aprendendo muita coisa junto com ele, entendendo sua visão de mundo e conseguindo ver as coisas por um ângulo diferente. As Vantagens de Ser Invisível é um livro bastante triste, sim – mas não do tipo que te faz ficar triste, e sim do tipo que te faz aprender com a tristeza e superá-la. Não tenho como não amá-lo.

Nota: 10,0


Quer concorrer a um exemplar desse livro lindo? A gente tá sorteando!

 Julie Hevellyn





2 comentários :

© Não retire os créditos - 2016 | Todos os direitos reservados.
Desenvolvimento por: Vanessa Neves e Jaque Design | Tecnologia do Blogger .